A Catsaridafobia


Barata, baratinha, baratão 
Pense num bicho cascudo
Assim que ela passa no salão
Eu logo me sacudo.

Ô bicha nojenta
Praga de Noé
Que me atormenta
 E testa a minha fé.

Me arrepia o pelo da nuca
Quando ouço o seu barulho
E já fico logo maluca
Segurando um pedregulho.

Quando este ser aparece
Minha sanidade é testada
Teço uma prece
Muito bem falada.

Fui diagnosticada pelo doutor
Falou que é Catsaridafobia
Deu-me uma dor
Ao saber que não me curaria

Coração disparando
Nessa eterna agonia
Com a voz proferindo
Essa maldita fobia.

E aqui termino minha rima
Pois a bendita já apareceu
Terminou-se o clima
Que tomou conta do meu eu.

4 comentários

  1. Hahaha que poeminha bonitinho pra falar de um bicho tão asqueroso! Urgh, chega dá arrepio só de falar nela :(((

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem asqueroso msm Thayama. Vlw por ter gostado desse poema!! E lembre-se, toda vez que vê uma barata, não hesite, mate-a kkkk

      Excluir
  2. Olá Juliane! Adorei o poema! Só você mesmo para fazer um poema lindo para um bichinho tão feinho. Beijos'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colocar os medos interiores pra fora em forma de poema!! Se bem que as baratas não merecem!!

      Excluir

Tecnologia do Blogger.